My playlist

Impossível + Perfeito

Impossível + Perfeito

sábado, 6 de março de 2010

Mike com guitarra da hello Kitty from the inside

video





Ansiosos pelo novo albúm??

Aki vai um vídeo postado pelo Mike no seu blog

video
Sim! Hoje eu escrevi um novo refrão no piano, nós rapidamente escrevemos alguns vocais, Brad copiou e colou uma intro em um outro, e parei para filmar esta obra-prima do cinema moderno! Puta merda! disse Mike


Biografia Da Banda

Biografia – Mike Shinoda

*Nome Completo: Michael Kenji Shinoda
*Função: Vocal, Beats + Samples, Keyboards, Guitar
*Nascimento: 11/02/1977 – Agoura, Califórnia
*Apelidos: Akira, Shinizzle, Spike Minoda
*Equipamentos: Audio Technica wireless mic, PRS guitars, Mesa Boogie Dual Rectifier heads, Mesa Boogie cabinets, Digidesign Protools software & hardware, Anteres software, Waves software, Emagic hardware, Roland keyboard modules, AKAI S-900 & MPC 2000 samplers .

Biografia: Nasceu dia 11/02/1997 em Agoura Hills, na California. Seu pai é descendente de japoneses, sendo Mike a quarta geração fora do Japão, também afirma ter um pouco de índios americanos em sua linhagem. Quando criança, estudou piano clássico e jazz durante 10 anos, conta que havia um loja onde havia aulas promocionais ensinando o básico do piano para crianças, quando a loja fechou, a professora continuou a dar aulas particulares para ele e seu irmão Jason, mais novo. Sobre sua arte, conta que desde quando se conhece, desenha, e que tudo começou quando seus pais descobriram que poderiam aquietá-lo nos restaurantes ao dar um papel para ele desenhar. Aos 13 anos de idade se dedicou aos teclados, envolvendo se logo de cara com o hip-hop.

Foi ele o responsável pela formação da banda ao lado de Brad, que é seu amigo desde a sétima série. Mike se formou e tem mestrado em Ilustrações pela Faculdade de Artes e Design da cidade de Pasadena, foi lá que ele conheceu o DJ da banda, Joe Hahn. Ele desenhou o soldado com asas de libélula da capa do álbum Hybrid Theory, assim como todos os outros símbolos utilizados pelo Linkin Park. Até acharem Chester para substituir Mark Wakefield, ele faria o resto dos vocais.

No início da banda, ele passava o dia tendo aulas de desenho e arte, á noite ia ensaiar e quando voltava para casa praticava o que tinha aprendido na faculdade. Conta que em sua primeira turnê, pôde conhecer o Japão, e encontrou certa familiriaridade com o lado paterno da sua família.

Em maio de 2003, casou com uma namorada de longa data, Anna Shinoda. Criou um projeto paralelo enquanto de férias do Linkin Park, chamado Fort Minor, onde pôde falar sobre coisas que não poderia em sua banda principal. Atualmente, encontra-se em estúdio para o mais novo álbum do LP, recentemente expôs sua arte e sua opinião sobre o execesso de mídia em celebridades em seu art show chamado Glorious Excess, no qual foi divido em duas partes; Born e Dies, a segunda parte foi adiada e ainda não tem previsão de reabertura.

Também possui um blog, onde posta coisas sobre suas opiniões sobre diversos assuntos, se mostrando muito atencioso com os fãs e dando liberdade de expressão á todos, sempre com muito respeito. Diz que posta como um fã, e não como um ídolo. Ajuda fãs com suas bandas, responde perguntas sobra a indústria da música, e atualmente conta sobre idas ao estúdio com os outros membros da banda. O blog pode se encontrado em mikeshinoda.com, onde também há uma loja online, seção de vídeos e fotos.

Curiosidades:

- As músicas que mais curte fazer rap são “Papercut” e “A Place For My Head”.

- É fã da cantora Dido e de outros grupos femininos.

- Para Mike, a parte mais dura de ficar em um estúdio gravando por dois meses é ter que aturar o Brad, “porque ele não é chegado num banho” diz.

- Disse que o primeiro baque dele foi quando estava terminando o ensino médio, se apaixonou por uma garota chamada Catiana e achava que tudo seria um mar de rosas e que se falariam no telefone até o sol nascer. Mas depois que a contou sobre isso nunca mais a viu.

- Um vídeo polêmico surgiu perto das eleições para a presidência norte-americana chamado Barack Your World, que era como uma crítica ao candidato Barack Obama e supostamente foi feito junto ao vocalista da Xero, Mark Wakefield, Mike disse que não poderia negar nem afirmar que era de sua autoria, mas que definitivamente era engraçado.

- Fica irado quando alguém começa a falar em terceira pessoa.

- Where’d You Go, segundo ele, foi escrita para sua mulher, para mostrar que ele entendia como ela se sentia quando ele viaja. Kenji, também do Fort Minor, foi escrita sobre a história de seu avô durante a segunda guerra mundial.

- Usa lentes de contato, poucas vezes já foi visto usando óculos.

Quotes:

- “Nós escrevemos sobre o dia a dia, porque às vezes é bom saber que há outras pessoas indo na mesma direção que você”.
- “Chester e eu escrevemos sobre emoções universais, quer isso pareça insignificante, otimista ou frustrante”.
- “Valeu Brad. Brad é tão legal. Ele está aqui para levantar a minha moral. Sem o Brad, eu acho que seria muito zoado na turnê, porque ele é o único que me dá algum apoio moral”.
- “Todo mundo tira sarro da minha cara, principalmente o Joe”.
- “Quando nós começamos a banda, foi tudo porque a gente tava esperando um som que nunca aparecia. Nós cansamos de esperar, e decidimos fazer ele nós mesmos.”

- “Meu primeiro baque, (risos) bem, foi quando eu estava no ensino médio, ela era tão linda o nome dela era Catiana Christopher. Ela era realmente incrível, eu amei ela muito. Tudo isso foi triste porque no último dia do ensino médio, eu tava tipo, nós vamos ficar pra sempre juntos, nós vamos nos ver todos os dias, nos vamos nos falar pelo telefone todas as noites até o sol nascer. Naquele mesmo dia, foi o ultimo dia que eu vi ela, eu não vi ela depois que eu contei aquilo pra ela. Então yeah, ainda continua esse dia eu continuo tendo amor por ela e eu ainda penso sobre aquele dia, então Catiana, se você está ouvindo isso ou lendo essa entrevista, eu continuo lembrando você pra sempre e sempre. Eu não acho que o Brad se lembre disso (risos).”

- “Eu não sou Russo! Só quis vir aqui e dizer oi. Também, eu quero clarear o fato de que eu não soumetade Russo. Eu não sei onde as pessoas pegam os fatos delas (provavelmente na internet, onde um rumor pode ser mesmo um fato, hahaha). Mas eu sou meio japonês e meio… Americano, eu acho.A família da minha mãe é uma mistura de um monte de coisas diferentes. Um monte é Europeu, e tem um pouco de nativo Americano aí. Mas esse lado da minha família esteve nos EUA o tempo todo, então eu só chamo de Americano pra manter simples.”

- “Joe, lembra de mim de Minnesota? Você me olhou enquanto estava tocando.”

- “Nós estamos renomeando a banda para Blink-Nsync 182.”

- “Quantas meninas aqui estão usando uma camisa de ‘Mike Shinoda é meu namorado?’”

- MiuMiu: Mike, o que você prefere: N*SYNC ou BackstreetBoys?

Mike: Morte lenta.

Biografia – Chester Bennington

*Nome Completo: Chester Charles Bennington
*Função: Vocalista
*Nascimento: 20/03/1976 – Phoenix, Arizona
*Apelidos>: Chaz, Chazy.
*Equipamentos: Audio Technica Wireless Mics, Yamaha SPX 990, Takamine guitars, DVS/Matix action figure steelo

*Biografia: Antes de entrar para o Linkin Park, Chester era vocalista de outra banda chamada Grey Daze, famosa no estado do Arizona com dois discos independentes. Começou a treinar a voz aos 13 anos de idade. Sua Maior influência foi seu irmão mais velho, Brian, que curtia as bandas Loverboy, Foreigner, Rush e Led Zeppelin. Quando Chester era novo, cantava em torno da casa, sonhando que ele era o quinto membro do Depeche Mode. Ainda menino, foi vítima de abuso sexual, procurando fugir da realidade começou a usar drogas, mas consegui se curar aos 20 anos de idade, quando se casou com Samantha. Sem dinheiro para se matricular, Chester freqüentava as aulas da Faculdade de Filosofia escondido, e mesmo sendo descoberto pelo professor, acabou recebendo autorização para continua a “clandestinidade” graças ao seu potencial. No dia de seu aniversario de 23 anos, comemorado dia 20 de Março de 1999, Chester Bennington recebeu uma ligação do empresário Jeff Blue, da Zomba Music, convidando-o a se juntar à banda Xero.
No dia seguinte, o rapaz recebeu em sua casa um pacote com uma demo contendo uma música instrumental e outras faixas com a voz do antigo vocalista do grupo. Em apenas três dias, Chester compôs letra e melodia para a nova canção, assim como reinterpretou as músicas antigas. Enviando o resultado de seu trabalho para o empresário, o jovem, que havia desistido da carreira de cantor, partiu para Los Angeles a fim de conhecer o empresário e, principalmente, a banda. Logo que chegou a Los Angeles, Chester não tinha onde morar e passou meses dormindo em sofás na casa de amigos. Na época em que o primeiro disco estava sendo gravado, ele dormia dentro do carro, estacionado na frente do estúdio. Quando os primeiros funcionários começavam a chegar ele corria para dentro, e ficava dormindo na sala de gravação até o resto da banda chegar.
Chester diz compreender que muitos fãs precisam ir aos shows para externarem o caos em que vivem, e de alguma forma se sentirem aliviados de uma carga invisível. Chester tem uma tatuagem em seu músculo esquerdo da parte baixa da perna, do “Hybrid Soldier” da capa do CD Hybrid Theory. As chamas em seus braços representam o sinal de seu signo, Peixes (situado entre Peixes e Touro e associado à constelação de Aries. Forma com Leão e Sagitário a triplicidade dos signos do Fogo). Seu ombro esquerdo tem um símbolo pisciano e uma carpa japonesa de Koi em seu ombro direito. Em suas costas tem seis braços espalhados, foram feitos por seu amigo que disse que era uma representação visual de como Chester alcança para fora e agarra a audiência. Todas as tattoos de Chester simbolizam algo. Em sua mão esquerda tem uma aliança tatuada e sua ex-esposa, Samantha, tem a mesmo tattoo. Fizeram as tattoos porque Chester não tinha recursos para comprar um anel e seu amigo (Sean do Grey Daze) tinha uma loja de tattoos e fez de graça.
Chester é o único membro que necessita de um lugar extra para seus vestuários. Seus sapatos que tem que combinar com cada detalhe de suas roupas. Sua roupa de baixo tem que combinar com seus acessórios, suas meias têm que combinar com seus sapatos e suas calças. Tudo isso é muito importante para ele. Nos aeroportos Chester tem que retirar todos seus acessórios de metal, braceletes, etc. Ele tem que sempre estar com um saco pequeno ou algo para guardar todas essa coisas. Tudo deve sempre estar organizado. Chester era casado com Samantha desde 31 de Outubro de 1996, eles tiveram um filho chamado Draven Sebastian Bennington, que nasceu dia 19 de Abril de 2002. Chester e Samantha se separaram em 2005.
Chester tem outro filho, Tyler Lee Bennington, que nasceu dia 16 de Março de 2006, ele é filho de Chester e de sua atual esposa Talinda). Eles se casaram no dia 31 de Dezembro de 2005, assim que souberam que Talinda estava grávida.
A frase mais conhecida de Chester por nós brasileiros, é “This show tonight for us is the largest Linkin Park’s show of the world

Biografia – Joe Hahn

Nome Completo: Joseph Hahn
Função: Turntables, Samples, Beats, & Sounds
Nascimento: 15/03/1977 – Glendale, Califórnia
Apelidos: Mr. Hahn
Equipamentos: Motor-driven Turntables, Rane TTM 54 DJ mixer, AKAI MPC 2000, Emagic Logic Audio, Various effects, Shure M44-7 needles, Custom-made vinyl

Biografia: Joe trabalhou fazendo efeitos especiais para a série Arquivo-X. Crawling foi o primeiro vídeo clipe que Joe dirigiu. Ele já dirigiu mais ou menos 6 vídeos em 2 anos de carreira. Segundo Rob, “É uma pessoa criativa e profissional”. Tem duas irmãs mais velhas. Curte U2 e tem uma dupla personalidade chamada Remy. É quem fala no começo de ‘Cure For The Itch’. Ele e Chester concordam que a música ‘Everlong’ do Foo Fighters é uma das melhores músicas da história. Joe fez o conceito do clipe ‘One Step Closer’. Mas também está envolvido em qualquer direção de outro clipe do Linkin Park (ele criou o conceito de todos). Ele é o cara oficial dos clipes da banda.
Joe e Mike se formaram em ilustração. Ambos estavam interessados em pintura, Joe ficou na faculdade por um ano, então foi para faculdade de cinema. Ele rabalhou em Sphere and Phantoms, e trabalhou com monstros em filmes.
Tem um grande senso de humor, e é considerado o mais engraçado da banda. Dizem que pra qualquer lugar do mundo que ele vá, sempre leva um pequeno pingüim com ele. Adora brinquedos, principalmente do Gundan (Anime antigo, mas ainda em produção, sobre robôs gigantes). E para ter uma noção do tanto que ele gosta, antigamente, quase todos os trabalhos por qual ele passou tinham a ver com brinquedos.

Biografia – Phoenix Farrel

Nome Completo: David Michael Farrel
Função: Baixista
Nascimento: 08/02/1977 – Plymouth, Massachusetts
Apelidos: Phi Phi, Phoenix
Equipamentos: Ernie Ball Music Man Sting Ray basses, Ampeg SVT Classic heads, Ampeg SVT Classic cabinets, Dean Markley Blue Steel strings,Dunlop Picks (.88), DBX 160 compressor, Monster cables, Sans Amp, Boss pedals, Whirlwind direct boxes, Shure wireless.

Biografia: Quando tinha 5 anos, mudou se com sua família de Massachussets para a cidade californiana de Mission Viejo, indo morar em Los Angeles já adolescente. Aprendeu a tocar guitarra com sua mãe e sempre afirma que sua maior inspiração na música é seu irmão mais velho, Joe Farrel. Em suas primeiras bandas, Phoenix tocava guitarra. A passagem para o baixo aconteceu quando estava na banda The Snax, no final dos anos 90. A banda The Snax antes se chamava Tasty Snax.
Quando o Linkin Park ainda estava no inicio e se chamava Xero, Phoenix saiu da banda e partiu em turnê com a The Snax. Cerca de um ano e meio depois ele voltou ao já consagrado Linkin Park. Compôs algumas letras de músicas que estão no primeiro cd, Hybrid Theory. Toca vários outros instrumentos, inclusive violino e violoncelo. Sua perfomance pode ser conferida na música “Krwlng”, versão de “Crawling” que integra o álbum Reanimation.
É fã de comida mexicana e do filme “Coracão Valente” e gostaria de tocar bateria. É um cara zen tanto que as vezes parece estar em “outro mundo”. Costuma se dar bem com todo mundo.Também gosta de futebol e snowboard. Curte ouvir Weezer, Beatles, Deftones, Roots, Bob Marley e Sarah Mclachlan. Morre de medo de escorregar e cair na frente de todo mundo. Atualmente vive em Los Angeles, Califórnia. É casado com Lindsey desde 28 de dezembro de 2002. Costuma dizer que sua família é apenas sua mulher e seu cão.

Biografia – Brad Delson

Nome Completo: Bradford Philip Delson
Função: Guitarrista
Nascimento: 01/12/1977 – Agoura, Califórnia
Apelidos: Big Bad Brad, BBB
Equipamentos: Ibanez guitars, PRS guitars, Mesa Boogie Dual Rectifier heads, Mesa Boogie cabinets, D’Addario strings (10XL), Boss Pedal effects, D’Addario cables, Dunlop picks (.83), Shure wireless.

Biografia: Brad escrevia uma coluna na revista Guitar World Magazine, a revista era para iniciantes. Seus fones são sempre personalizados. Já quebrou o pé após um show. Os pedais de sua guitarra não funcionaram e nervoso, mo fim do show, para descontar sua raiva, chutou uma porta. É judeu, muito inteligente e simpático, e os outros caras da banda dizem que ele está sempre feliz.
É formado em Comunicações pela UCLA. Primeiro disco que ele comprou foi um do Duran Duran – People are people. Como gostava de bandas metaleiras, pra imitar os integrantes, deixava o cabelo comprido. Tinha um cabelo muito ondulado e queria deixá-lo liso…mas não deu muito certo e teve de cortar tudo. Seus guitarristas preferidos são Dave Matthews, e Stef do The Deftones.
É fã da Britney Spears e os outros caras da banda ficam meio ‘de cara’ com isso. Se ele fosse alguém na TV, ele seria um ator em “Seinfield”, porque ele realmente tem senso de humor. Se não fosse músico provavelmente estaria estudando direito.
Um momento marcante de sua vida foi quando perdeu as calças em um showcase. Brad Tocou no Relative Degree junto com Rob. Tocava baixo na banda quando o Phoenix não estava. Seu modelo musical é o Chester. Brad ganhou sua 1ª guitarra quando estava na 6ª série.
Nas horas vagas, ele tenta encontrar um cinema e sempre que pode assiste a um filme. Tem fama de ser anti-social. Assina seu nome como BBB (Big Bad Brad). Sua maior obsessão é dormir. De acordo com ele, a coisa mais estranha que um fã pediu para a banda foram seus cabelos. Nunca explica direito porque sempre leva casacos pro cenário. Chester diz que é algo relacionado com Matrix.
Sua primeira banda se chamava Pricks, de 1994. Nunca se separa de sua escova de dentes. Ele e Phoenix foram colegas de quarto na universidade. Seu primeiro instrumento foi um trompete.

Biografia – Rob Bourdon

Nome Completo: Robert Gregory Bourdon
Função: Baterista
Nascimento: 20/01/1979 – Calabasas, Califórnia
Apelidos: Rob
Equipamentos: Gretsch kit, Gibraltar Hardware, Zildjian cymbals, emo heads, Vater sticks, Rane headphone amp, Alesis DM-5 drum module, Shure E-1 in-ear monitors, D-drum trigger pads

Biografia: Sua primeira performance foi em Los Angeles na banda “The Roxy” em 1995. É judeu, e j á foi garçom. Seu momento mais emocionante foi receber a plaquetas de ouro pelo cd Hybrid Theory. Começou a tocar bateria na quarta série depois de ir a um show do Aerosmith. (reza a lenda que sua mãe foi namorada do baterista do Aerosmith e foi ela quem ajudou a escolher o nome da banda)
O Linkin Park não é a primeira banda de Rob. Ele começou a tocar em bandas quando tinha 13 anos e ele tocava músicas cover com seus amigos. Foi quando ele conheceu Brad, e eles tocaram por um ano. Aquilo foi um rock com rap e funk e eles eram chamados de “Relative Degree” (Grau Relativo). Eles praticaram um monte, tocaram em um show, e então, tudo se acabou.
Quando pequeno estudava música clássica. Quando entrou no colegial, era ligado em funk. Rob parou de estudar no colegial para se dedicar à banda.
Rob gosta de tocar piano quando tem tempo. Ele costumava ter aulas quando era jovem e era forçado a ir. Tem um irmão mais novo chamado David.
É o mais quieto e o mais “misterioso” da banda. O Linkin Park assiste os clipes deles mesmo e Rob (de acordo com Brad), nunca toca uma parte errada. Ele é o perfeccionista da banda. Rob estudou em Agoura high school. Foi para a Faculdade Santa Monica e se formou em contabilidade. Rob gosta de surfar .Ele não teve que regravar nada para fazer o Reanimation, mas ele estava decidido a ouvir o trabalho de seus companheiros de banda, e expressar suas opiniões. Se ele não não gostasse teria que falar, e os outros teriam que mudar tudo para ficar melhor.


Agora me fala se essa naum é a melhor banda

do mundo??

Concorda´s

??

entaum comenta aí:D